SÓ DESINFORMADOS E INGÊNUOS VÃO TORCER PARA O ATLÉTICO DE MADRID CONTRA O CHELSEA POR CAUSA DE ABRAMOVICH

Link original: http://espn.uol.com.br/post/405092_so-desinformados-e-ingenuos-vao-torcer-pelo-atletico-de-madrid-e-contra-o-chelsea-por-causa-de-abramovich

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

O Atlético de Madrid está na moda. Sem os recursos de Real Madrid e Barcelona, vai deixando os dois gigantes para trás, ruma em direção ao título espanhol que não ganha desde 1996 e está a dois jogos de uma final da Copa/Liga dos Campeões, que só alcançou uma vez, em 1974.

Solidário, marca forte, retrato de seu técnico, o argentino Diego Simeone. Assim, o time Colchoneroganhou a simpatia de muitos. Mas será que tudo é tão lindo no “primo pobre” de Madri? Em outubro de 2013, José Ignacio Torreblanca escreveu sobre o Atlético fora de campo no conceituado jornal “El País”. Vamos a alguns pontos importantes que o jornalista abordou.

Torreblanca destaca que o Azerbaijão é o patrocinador do clube. “Azerbaiyán, Land of Fire”, é o que se vê estampado na camisa do Atlético de Madrid. No ano passado, um dia antes das eleições presidenciais a comissão eleitoral anunciou o vencedor por meio de um aplicativo da Comissão Eleitoral Central.


Ilhan Aliyev: no poder desde 2003, ele sucedeu o pai, Heydar, que governou entre 1993 e 2003
Ilhan Aliyev, no poder desde 2003, ele sucedeu o pai, Heydar: fraude eleitoral

O presidente Ilham Aliyev pertence à família que há quatro décadas ocupa o poder. Ele venceria com 73% dos votos. A comissão eleitoral se desculpou, mas evidências de fraude eram claras. E foram confirmadas pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que relatou ameaças a jornalistas e cobertura da mídia maior e favorável a Aliyev.

Mas o que Enrique Cerezo Torres, presidente do Atlético, teria a dizer sobre a ex-república soviética? Para ele, “é um país de grande potencial econômico e recursos importantes, com uma antiga herança histórica e que depois de ganhar a independência atingiu um alto desenvolvimento humano, económico e cultural”.

Nada mais distante da realidade. No ranking de 2012 do Transparência Internacional para avaliar a corrupção, o Azerbaijão é 139º entre 176 países. Grupos de direitos internacionais acusam o governo de intimidação a oposicionistas e repressão a manifestações pelas ruas. Ilhan Aliyev está no poder desde 31 de outubro de 2003. Ele sucedeu o pai, Heydar, que governou entre 1993 e 2003.

A organização sem fins lucrativos Freedom House atua na promoção dos direitos humanos, da democracia, da economia de livre mercado, do estado de direito, e defende a independência dos veículos de comunicação. Seus relatórios sobre o Azerbaijão ressaltam elevado nível de repressão à oposição e à ala independente da mídia, acrescenta o jornalista espanhol.

A OSCE reuniu queixas às da Anistia Internacional. Relatórios revelam que nas semanas anteriores às eleições, oposicionistas do regime foram perseguidos, presos e detidos, com acesso limitado à mídia, julgamentos simulados e outras ações ditatoriais. E aconteceram várias prisões após a ida às urnas.

Análise idêntica à da Human Rights Watch, outra organização independente voltada aos direitos humanos, apresentadas no documento “Azerbaijão: repressão sobre a sociedade civil”. Defensores do governo azerbaijano alegam que graças ao gás e ao petróleo a renda per capita aumentou de US$ 1.844 em 1995 para US$ 8.153 em 2013.

No entanto, as desigualdades sociais não diminuíram, tampouco liberdades foram ampliados, como mostram relatórios das Nações Unidas. O Azerbaijão caiu para o 82º lugar no último ranking mundial do Índice de Desenvolvimento Humano, o IDH. O Brasil é 85º.


a
 

A Espanha, onde o país despeja € 12 milhões (mais de R$ 37 milhões/ano) por intermédio do Atlético, está em 23º, apesar de toda a crise econômica vivida pelo país ibérico. Graças a seus recursos energéticos, Aliyev estabelece uma monarquia hereditária autoritária e, paralelamente, conduz campanha internacional de relações internacionais.

E aí entra o clube de Madri. O Atlético empresta sua camisa, sua imagem, seu prestígio, sua torcida e seus atletas para que o ditador mude a imagem do país no exterior. Em suma, iluda o maior número possível de pessoas pelo mundo e também torne o Azerbaijão um destino turístico badalado.

No clube espanhol Cerezo ocupa a sala mais importante há 11 anos, desde que se afastou o antigo presidente, Jesús Gil y Gil, morto em 2004, quando já corriam contra ele dezenas de processos de corrupção, a maioria relacionados com fraude imobiliária. Apesar da demissão, ele detinha 80% das ações e escolheu o sucessor. Produtor de cinema, Cerezo chegou à presidencia como uma marionete do antecessor, e antes cumprira 16 anos como vice-presidente de Gil y Gil.

Em 1967, a queda do telhado de seu restaurante em Los Angeles de San Rafael matou 58 pessoas. Jesús Gil y Gil foi condenado e preso em 1969. Acabou libertado em 1971, depois de pagar 400 milhões de pesetas e ser perdoado pelo ditador Francisco Franco, general que comandou a Espanha de 1936 até sua morte, em 1975. A Guerra Civil Espanhola matou cerca de 1 milhão de pessoas e instaurou o regime fascista de Franco. A proximidade entre cartolas do Atlético de Madrid e ditadores, nota-se, vem de longa data.


Jesús Gil y Gil: amigo do ditador Franco, parece mandar no Atlético mesmo depois de sua morte há 10 anos
Jesús Gil y Gil: perdoado pelo ditador Franco, ele parece mandar no Atlético mesmo depois de sua morte há 10 anos

Até hoje o sobrenome é forte no clube. Tanto que aparece com três representantes no Conselho Administrativo do Atlético: Miguel Ángel Gil Marín, Severiano Gil y Gil e Óscar Gil Marín. No início da década passada o atual presidente também se viu envolvido num escandâlo de apropriação indevida de ações do Atlético, que envolvia falsidade contábil e assinaturas de contratos simulados. Ele, Jesús (pai) e Miguel (filho) escaparam. O crime havia prescrito.

Quando apresentou o patrocínio, Enrique Cerezo disse: “Nós acreditamos que o Azerbaijão tem encontrado Atlético de Madrid um parceiro ideal, como um clube desportivo, de futebol, que atinge a mídia a nível internacional, uma ferramenta estratégica para trazer culturas de laços mais estreitos entre os povos e indivíduos”. É inegável que clube e país têm algo em comum. Seus comandantes se eternizam no poder e quase não há oposição a eles.

E às vésperas de um confronto fundamental contra o Chelsea, vale a reflexão. Se você detesta o time inglês só por causa de Roman Abramovich, que o adquiriu com o dinheiro do espólio soviético, o que fez dele um biolionário, reflita. O Atlético de Madrid não é um clube de inocentes e também tem lá seus podres. O futebol está repleto de casos assim. Há muitos “Abramovichs”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s