A volta da imortalidade

Texto de Gabriel Brito publicado na webrádio Central3 em 24 de novembro de 2016

Um dos melhores jogos que o país viu nos últimos anos é uma das primeiras coisas a dizer de Atlético Mineiro 1-3 Grêmio, na partida de ida final da Copa do Brasil. Para além do elogio geral, fica uma categórica superioridade gaúcha, referendada pela terceira vitória seguida em solo mineiro.

A este respeito, está claro que o tricolor encontrou o remédio pra atar e sedar o galo doido, indomável vingador que não considera a pausa em seu repertório.

Tal constatação leva a outra, de modo que esta crônica enxerga o corpo e a mente do time dirigido por Roger. Claro que ver a epopeia comandada por Renato Portaluppi pode fazê-la ainda mais épica no coração gremista, mas o ex-lateral também seria digníssimo comandante deste penta quase garantido.

Feita a nota de rodapé, novamente vimos a paciência e cadência gremista enredarem o ímpeto atleticano, que apostou na linha de três armadores-avantes formada por Maicossuel, Cazares e Robinho para servir Pratto.

Na teoria um 4-2-3-1, na prática, por vários momentos, um 4-2-4 suicida, que permitiu aos meio-campistas visitantes todo o conforto na hora de escolher o passe, a exemplo da bela enfiada de Maicon que terminou no golaço de Pedro Rocha e outras grandes oportunidades.

Diante do fraco auxílio defensivo da linha de frente, a volância de Leandro Donizete e Junior Urso só corria atrás. Nesse sentido, cabe ponderar que Marcelo Oliveira faz seus times jogarem na mesma batida há praticamente 6 anos, desde seu sucesso com o Coritiba. Se por um lado já foi finalista e campeão várias vezes, por outro suas principais derrotas têm a marca da falta de variação.

Ao fazer o segundo em bela infiltração individual, Pedro Rocha apenas colocou uma medida mais justa no placar. E nem sua nada justa expulsão foi suficiente para assustar um time que, além de seguro de si, está no ápice motivacional.

O golaço de Gabriel serviu como lembrete do potencial técnico do Galo, mas a estratégia do equilíbrio haveria de dar o tiro de misericórdia na tática do ataque total – ou inconsequente.

Como castigo a esse samba de uma nota só cantado pelo time de Marcelo, veio o gol matador de Everton, a reafirmar a volta dos momentos imortais e emoldurar uma bela semelhança com outro 3 a 1 longe de casa, cujas saudades estão a 90 minutos de acabar.

gregalo1

Contra a mega-ofensividade galista, duas linhas de quatro, na qual Pedro Rocha fazia às vezes do atacante que é e Douglas exercia uma espécie de free-hole. Abandonados pela linha ofensiva, Donizete e Urso nunca puderam cortar os passes de um time muito competente no fundamento. Muitas semelhanças com o 2-0 gremista no Brasileiro de 2015.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Gabriel Brito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s